REFLEXÃO DA AULA MAGISTRAL Pedofilia: Aspectos Psicológicos e Jurídicos

head(MANOEL MESSIAS DA SILVA-4º ANO DE TEOLOGIA)

 

Neste artigo analisa-se a aula magistral do dia 16/de março, mas, sobretudo o seu tema: Pedofilia: Aspectos Psicológicos e Jurídicos, do professor Dr. Padre Luiz Carlos, com a ajuda das psicólogas Dra. Maria Marques, Dra. Gilvaneide e o advogado Dr. Newton. Buscou entender sobre a etimologia, a palavra pedofilia, etimologicamente, deriva do grego paidofilia, a partir das matrizes paidós (criança) e philia (amor a, amizade), significando, originalmente, “amor por crianças” (TRINDADE; BREIER, 2010, p. 21). Depois acentuou o transtorno da sexualidade denominado pedofilia e buscou-se o esclarecimento acerca dos critérios; da abordagem jurídica; do que diz o ordenamento penal brasileiro e o que pode ser aplicado no caso da prática da pedofilia, tendo em vista que não há previsão específica no ordenamento canônico e jurídico para esta conduta. Inicialmente perscrutou-se a conduta pedófila, donde se evidencia que comumente há entre as pessoas envolvidas na prática da pedofilia, uma relação de poder, onde, de um lado visualiza-se um indivíduo portador da parafilia[1] e de outro, uma criança ou adolescente, o “vulnerável” que diante do abuso de uma relação de confiança torna-se vítima de ato sexual atentatório a sua dignidade. Foi perpassada também a questão da imputabilidade penal trazido pelo artigo 26 do Código Penal Brasileiro, pois existem alguns doutrinadores bem reconhecidos na academia jurídica que sustentam a tese de que estes indivíduos pedofílicos são padecedores de transtorno da personalidade sexual e que realmente fazem jus à benesse penal. Só para constar, na Grécia antiga, a prática sexual entre uma pessoa mais velha e um jovem era encarada de forma natural pela sociedade. A maioria dos casos ocorria entre pessoas do mesmo sexo, cuja incidência predominava entre os homens, funcionando como uma troca de favores pessoais para a iniciação do jovem à fase adulta, a partir do momento que passavam a desenvolver relações estáveis com o sexo oposto (CORREIA, 2003). O comportamento pedofílico torna-se difícil destacar um sinal aparente característico da personalidade do agente pedófilo, apenas podendo se remeter à reprovação da atitude junto à sociedade, fazendo com que se busquem junto aos dispositivos legais, elementos de conectividade capazes de coibir toda a atividade sexual praticada contra a infância. O tema proposto para exposição, pedofilia, interessa a toda a sociedade atual por ter, na última década do século XX, emergido de um passado distante para se propagar por todas as direções, especialmente devido à democratização dos meios de comunicação e à facilidade da veiculação das notícias, não mais se mantendo em grupos e segmentos contidos. Na atualidade, o problema da pedofilia eclodiu não apenas pela ação da mídia e pelo encorajamento a denúncias pelas vítimas, mas também pela devastadora proliferação da prostituição infantil, resultante, dentre outras causas, da pobreza. O filme “Spotlight: Segredos Revelados” que trata do drama sobre a pedofilia na Diocese de Boston trás um encaminhamento de denúncias contra sacerdotes acontecidas naquele local criando uma urgência no direito penal da Igreja em sua dimensão pastoral. O problema é complexo, pois engloba causas históricas, razões sociais e econômicas e religiosas, enquanto enseja a formação de uma vasta rede de conexão, envolvendo não só sacerdotes, mas todas as instâncias de várias instituições.

Por fim, a pedofilia pode ser identificada sob, no mínimo, dois aspectos. Quais sejam: primeiramente sob uma ótica psicológica, tendo em vista os distúrbios e os transtornos que afetam o indivíduo que é considerado clinicamente pedófilo. Em segundo lugar, sob o aspecto jurídico, penalizando todos aqueles indivíduos que cometem abuso sexual contra crianças. Essas situações de agressões podem ser ocasionais ou até mesmo específicas, todavia, não implica dizer que o sujeito pedofílico sofra um desvio mental capaz de gerar a chamada inimputabilidade penal, defendida por alguns.

  • Aqui, no Brasil, temos a lei protetora, a Lei Federal nº 8.069/90, que regulamenta o Estatuto da Criança e do Adolescente, traz em seu bojo artigos que combatem crimes relacionados à “pedofilia” na rede mundial de computadores, crimes que têm como foco principal a utilização de imagens pornográficas infantis. Tais dispositivos legais encontram-se previstos nos artigos 240 ao 241-E do mesmo Estatuto. No entanto, os casos de pedofilias são cada vez mais agravantes… A palestra nos ajudou a entrar nesse “complexo”, e vendo o caso como uma “doença criminal”, cabe a nós ultrajarmos de responsabilidades e compromissos assumirmos a via profética, pois somos chamados a ser misericordioso como o Pai é Misericordioso.

 

REFERENCIAS:

Comentários feitos pelo palestrante e seus convidados

CARRERA, Mário Sérgio Valadares. A pedofilia virtual e seus reflexos no âmbito Jurídico. Trabalho de Graduação do Curso de Bacharel em Direito das Faculdades Jorge Amado, 2003. Boletim Jurídico. Minas Gerais. Publicação nº 1881. Disponível em:                            http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=1881>. Acesso em: 17 mar. 2061.

FRANÇA, Genival Veloso de.  Medicina Legal.  6 ed. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 2001.

FORTE, Carlos. Crimes Ligados a Pedofilia – O que é Pedofilia? Associação Mineira do Ministério Público – AMMP Notícias. n. 34, p. 8-9, mar. 2011. Disponível em: <http://www.todoscontrapedofilia.ning.com>. Acesso em: 17 mar. 2016.

TRINDADE, Jorge; BREIER, Ricardo. Pedofilia: aspectos psicológicos e penais. 2 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2010

[1] É um padrão de comportamento sexual no qual, em geral, a fonte predominante de prazer não se encontra na cópula, mas em alguma outra atividade. São considerados também parafilias os padrões de comportamento em que o desvio se dá não no ato, mas no objeto do desejo sexual, ou seja, no tipo de parceiro.

head

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s